PGR não vê como provar envolvimento de Lula no Mensalão

O procurador Roberto Gurgel afirmou, em entrevista a Felipe Seligman e Matheus Leitão, da Folha de S.Paulo, não ter encontrado o mínimo de elementos que pudessem provar a participação do ex-presidente Lula na ação penal 470,
conhecida como mensalão. Ele acredita que este caso deverá ser remetido a análise na primeira instância. “Precisaria de prova mais que robusta, porque seria uma irresponsabilidade denunciar um presidente. É muito mais difícil", avaliou o PGR.

Segundo ele, o publicitário Marcos Valério queria obter vantagens, como a redução de penas, ao prestar o depoimento em setembro quando acusou Lula de ter se beneficiado pessoalmente com os recursos do esquema. Para o procurador, a intenção real de Valério era a de “melar” o julgamento, se houvesse concordância em admitir qualquer prova adicional. A tentativa acabaria favorecendo todos os réus, acredita.


O PGR lembra ainda que Valério pediu sigilo, alegando que não teria mais de 24h de vida caso o depoimento se tornasse público. De acordo com Gurgel, em depoimento de duas horas, o publicitário trouxe elementos novos, “mas nada de bombástico”, sublinhou. “Foi um depoimento que robustece algumas teses do Ministério Público em relação a todo o esquema criminoso e da participação do núcleo político", acrescenta. Gurgel destacou, porém, que o mensalão permitiu que fosse responsabilizado todo um grupo que dominava o partido.


O procurador recorda de outra história de Valério, que corrobora a habilidade do publicitário: “Quando Antonio Fernando era o procurador, se propôs a prestar um depoimento que derrubaria a República. Não havia absolutamente nada". Fonte: Jornal do Brasil.
Compartilhe este artigo :

Postar um comentário

Dê sua opinião ou deixe uma frase

.

 
"
Design: Jmiguel | Tecnologia do Blogger | Todos os direitos reservados ©2012
"